O teatro é conhecido em grande medida pela sua natureza de arte dramática. Talvez por isso quando essa forma de espetáculo vem à nossa mente não costumamos associá-la de forma expressiva à música. Mas você já ouviu falar no teatro musical? Uma definição muito breve é que o teatro musical une a arte dramática a canções e dança. Hoje esse é o gênero característico da Broadway.

Essa forma de arte é derivada da ópera, que já era uma forma de drama encenado com música. E se quando falamos de musical o cinema vem a sua mente, é porque falamos do mesmo gênero em meios diferentes. Embora as raízes do teatro musical datem do século XVIII, é apenas no século XIX que a sua expressão toma a forma contemporânea. Confira abaixo 4 curiosidades sobre o teatro musical.

1. No Brasil era “Teatro de Revista

Seguramente você já viu ou ouviu a expressão Teatro de Revista. Era assim que os musicais eram chamados no Brasil. O gênero chegou ao país ainda no século XIX e ganhou uma identidade própria. Grandes talentos foram revelados em nossos palcos. Um grande exemplo é a luso-brasileira Carmen Miranda. Também saíram desse meio as vedetes como Dercy Gonçalves e Luz Del Fuego. Entre os compositores que trabalharam no Teatro de Revista temos nomes de peso como Noel Rosa e Dorival Caymmi.

2. My Fair Lady, primeira adaptação no Brasil

A partir dos anos 60 o teatro de revista deu lugar ao musical inspirado pela Broadway. A primeira adaptação a ser trazida para nossas terras foi My Fair Lady. Conhecido também como Minha bela dama, ou Minha pequena dama. A produção trouxe Bibi Ferreira e Paulo Autran nos papéis principais. Vale lembrar que nos Estados Unidos o mesmo musical foi levado ao cinema em 1964, com Audrey Hepburn no papel principal. O filme foi dirigido por George Cuckor, que dentro do gênero deu vida a mais dois clássicos: Nasce uma estrela e O Mágico de Oz. Ambos com a estrela Judy Garland.

3. Os músicos na Broadway: sem partitura e sem nepotismo

Hoje a Broadway, cadeia de pelo menos 40 teatros localizados em Nova York, é sinônimo de musical. Pois saiba que os instrumentistas que lá trabalham rendem algumas curiosidades. Primeiro, que se algum deles tocar mais do que um instrumento por show, receberá um extra. Mas nada de levar partituras para casa. Especialmente em peças inéditas. Ao final de cada espetáculo as partituras devem ser recolhidas por um profissional.

Além disso, é vetada a presença de parentes na orquestra. A razão não é muito diferente daquela pelo qual a prática é condenada na política. Acontece que certos teatros pedem um número mínimo de músicos. E nem sempre o espetáculo vai precisar de tantos instrumentistas. Isso significa que algumas pessoas ficarão sem o que fazer. É para evitar uma situação de fraude nesse caso que os parentes são proibidos.

4. Gatos

Esse musical é fruto do compositor Andrew Lloyd Webber, um dos grandes nomes do teatro musical. Cats foi o quarto show a ficar mais tempo em cartaz na Broadway. Até 2006 era o mais antigo espetáculo da casa, sendo superado apenas por outra obra de seu autor: O fantasma da ópera. Traduzido para mais de 20 línguas, Cats estreou em Londres em 1981 e por muito tempo foi sinônimo de teatro musical. A obra foi inspirada por poemas do escritor T.S Eliot.

O curioso é que esses poemas escritos nos anos 20 ficaram esquecidos por longo tempo entre os pertences dos afilhados de Eliot. Os textos haviam sido feitos como presentes para as crianças e foram publicados apenas com estes já adultos. O autor não chegou a ver o musical em vida, mas sua viúva, Esme Valerie Eliot, se encantou pela prévia de Webber. Terminou presenteando o teatrólogo com um poema inacabado. “Grizabella: the glamour cat” foi usado pelo compositor para a marcante abertura do espetáculo.