Dicionário para músicos iniciantes

Toda vez que surge uma paixão ou hobby em nossa vida, somos introduzidos a universo totalmente novo, com linguagens e dinâmicas próprias. Quem gosta de bicicleta e entra para o ciclismo, por exemplo, precisa adquirir uma série de conhecimentos além do mero “pedalar” e assim também funciona para a música. Mas muitos iniciantes que começam a estudar ou a frequentar aulas de música sentem dificuldade para entender o que os colegas e professores estão falando. Por isso, desenvolvemos um pequeno dicionário musical para ajudá-los a compreender melhor a linguagem musical.

A capella – música cantada sem o acompanhamento de instrumentos musicais.
Acorde – combinação de 3 ou mais notas.
Agudo – som “fino”, de altura elevada. Oposto de grave.
Altura – característica do som relacionado à frequência, que o deixa mais agudo ou grave ao nosso ouvido.
Arranjo – adaptação de uma obra para um meio musical ou instrumento diferente do original.
Balada – forma de poesia lírica da Idade Média.
Bass – baixo em inglês.
Bel canto – estilo de ópera italiana muito popular no século XVIII e XIX.
Bemol – sinal ou notação utilizada para baixar meio tom na escala musical.
Bpm – sigla de “batidas por minuto”. É uma velocidade rítmica utilizada principalmente na produção de música eletrônica e de música pop. Quanto maior o bpm, mais acelerado é o som.
Cadência – é a sequência de acordes utilizada para criar um padrão musical harmônico. Também pode ser utilizada para fazer alterações de tonalidade ou para dar mais corpo a uma harmonia.
Case – significa estojo em inglês. É utilizado para guardar instrumentos musicais.
Cifra – sistema de notação utilizado para indicar os acordes. Inicialmente, as cifras referiam-se às notas musicais, como por exemplo a cifra “A” para a nota “Lá”, a cifra “B” para a nota “Si”, e assim por diante. Mas, com o tempo, passaram a representar também os acordes, como “Dó menor” por “Cm”, ou o “Dó com sétima” por “C7”.
Clave – símbolo colocado no início do pentagrama, serve para auxiliar o músico a identificar as notas musicais em uma pauta. A clave de sol, por exemplo, indica a nota “sol”.
Concerto – o termo refere-se a uma composição musical (ex.: Concerto para Piano e Orquestra em Lá Menor, de Robert Schumann) e também é utilizado como sinônimo de qualquer espetáculo ou apresentação musical (ex.: “Vamos a um concerto de rock”).
Dedilhar – usar os dedos para fazer as cordas de instrumentos musicais vibrarem. Ex.: “dedilhar no violão”.
Fuga – estilo de composição polifônica criada na música barroca e muito utilizada por Johann Sebastian Bach.
Harmonia – os 3 elementos básicos da música são melodia, harmonia e ritmo. A harmonia refere-se à combinação sonora ou progressão dos acordes durante uma composição.
Intensidade – também é conhecida como “volume”, refere-se à amplitude de uma onda sonora.
Intérprete – músico que executa uma partitura.
Maestro – profissional que rege, por meio de gestos, a orquestra e/ou o coro.
Melodia – é a sequência de notas musicais organizadas de tal forma que caracteriza uma música. Podemos reconhecer uma canção famosa, por exemplo, só pelo assobio da melodia.
Naipe – refere-se à família dos instrumentos musicais que compõem uma orquestra. Divide-se em naipe de cordas, de metais, de madeiras e de percussão.
Notas – sinais que representam graficamente a duração, a altura e a frequência do som. Toda partitura é composta por uma sequência de notas musicais, que são a própria linguagem musical, assim como as letras do alfabeto formam palavras e textos.
Pausa – intervalo sonoro ou silêncio com diferentes durações em uma partitura. O símbolo das pausas varia conforme a duração do silêncio.
Pauta – sistema ou conjunto formado por cinco linhas horizontais paralelas com quatro espaços vazios e simétricos entre elas (pentagrama). A pauta contém as notas musicais de uma partitura.
Ritmo – do grego rhuthmós, o ritmo é responsável pelo tempo musical e refere-se à sequência de sons e silêncios, bem como à duração de cada um deles.
Timbre – é a cor ou característica de cada som que nos permite diferenciar dois instrumentos tocando a mesma frequência (por exemplo, a nota Lá tocada no piano e no violão). No canto, o timbre diferencia a voz humana entre agudas e graves (ou claras e escuras), criando categorias como tenor, barítono e baixo para a voz masculina e soprano, mezzo-soprano e contralto para a feminina.

Se você gostou deste post:

– siga as nossas páginas nas redes sociais para acompanhar as nossas atualizações: estamos no Facebook, no Instagram, no LinkedIn, no Twitter e no YouTube!

– Conheça o trabalho da Sociedade Artística Brasileira (SABRA) e todas as iniciativas culturais e sociais que ela mantém. Acesse nosso site!

– entre em contato com a gente. E veja quais são as opções de ajuda na manutenção de nossas ações sociais e culturais. Basta acessar nossa página Doe Agora!

– Compartilhe este texto nas suas redes sociais e ajude os seus amigos a também dominarem o assunto!