O cérebro humano é uma espécie de computador central do corpo, cuja principal função é comandar os sentimentos e atividades exercidos por uma pessoa. É o cérebro o responsável pelos movimentos corporais, emoções, memória, fala, visão, audição, reflexão e mesmo pelo ato de caminhar.

Tal como qualquer computador, o cérebro pode ser estimulado por ações externas que irão refletir em todo o sistema, nesse caso, o nosso corpo. Exercícios físicos, alimentos, sono regular, meditação e aprendizagem de novos conhecimentos são alguns exemplos de como é possível impulsionar o funcionamento do nosso cérebro.

Mas não para por aí. Diversos estudos já comprovaram que a música, uma das artes mais importantes e sublimes criadas pelo homem, é capaz de favorecer a capacidade criativa e estimular o cérebro de qualquer pessoa. Acompanhe a seguir!

Música estimula os dois lados do cérebro

O nosso cérebro é dividido em duas metades. Cada um dos hemisférios cerebrais, como são chamados, é responsável por comandar determinadas funções. O lado esquerdo, por exemplo, controla atividades como escrita, leitura, lógica, raciocínio, linguagem e confere habilidade com números.

Já o lado direito possibilita o reconhecimento de rostos e objetos e controla a criatividade, imaginação, consciência artística e intuição. Isso não significa que os dois hemisférios não trabalhem em conjunto. Algumas funções, aliás, como a fala, são controladas pelos dois lados, o que pode ser comprovado em pessoas que sofreram lesão em um dos hemisférios e que continuaram a falar.

É aí que entra o poder da música. Psicólogos da Universidade Vanderbilt, em Nashville (EUA), concluíram que o cérebro de instrumentistas, ou seja, de músicos profissionais que possuem anos de experiência na área, é diferente do cérebro de pessoas que não têm conhecimento musical.

Para demonstrar isso, os pesquisadores utilizaram técnicas de neuroimagem, pelas quais analisaram o comportamento cerebral dos músicos enquanto eles realizavam algumas tarefas. O estudo comprovou que os músicos usam simultaneamente os dois hemisférios cerebrais com muito mais frequência do que outras pessoas, cuja atividade neural se concentra em apenas um dos lados.

Ainda de acordo com o estudo, publicado na revista Brain and Cognition, essa diferença pode estar associada ao uso independente e simultâneo das mãos para tocar um instrumento musical, bem como à integração entre melodia, ritmo e harmonia (hemisfério esquerdo) e à execução e interpretação da música (hemisfério direito).

Música e aprendizagem infantil

A música, além de auxiliar no desenvolvimento dos dois hemisférios cerebrais, tem se mostrado uma ótima maneira de despertar e desenvolver a criatividade infantil. Não é à toa que o ensino dessa arte já faz parte do currículo de muitas escolas e vai muito além de uma atividade recreativa.

A inserção da música no ensino infantil e a educação musical em si, são uma maneira de os pequenos descobrirem habilidades e pode ser muito importante para o seu desenvolvimento social e psicológico. Além disso, a música melhora a concentração e a memória, auxilia no processo de alfabetização, estimula o raciocínio matemático e é capaz de ativar áreas do cérebro que outras linguagens não conseguem.

A música, portanto, não é apenas uma reunião de sons e não se refere somente a gostos musicais ou bandas preferidas. Ela está intimamente ligada ao aprendizado e ao desenvolvimento de nossa capacidade criativa.