Muitas pessoas gostariam de aprender a tocar algum (ou mais de um) instrumento musical, mas nem todas dão o primeiro passo ou persistem para evoluir. Verdade seja dita: com exceção de poucos gênios na história, tornar-se bom músico ou instrumentista exige disciplina, dedicação, foco, centenas de horas de prática e, sim, teoria musical.

Sempre ouvimos falar do “fulano” que é excepcional e não sabe ler partitura, ou de outro artista famoso que era péssimo aluno. Isso é plenamente possível, pois a música tem relação com o sentimento, com o “feeling” e com a conexão da pessoa com a melodia e o seu instrumento. Porém, esses casos são a exceção, e infelizmente a maioria dos estudantes precisa debruçar-se bastante sobre os livros para sentir o progresso.

É claro que o inverso também é problemático. Nada adiante ser um expert da teoria sem a prática. Mas sabendo utilizar o bom senso, qualquer aluno poderá encontrar o “caminho do meio” entre teoria e prática para melhorar a performance e o desempenho.

Se você ainda não está convencido, confira a seguir 5 motivos para estudar Teoria Musical:

#1 Desenvolver um ouvido crítico para avaliar músicas

Enquanto qualquer pessoa é capaz de ouvir uma música e dizer se gosta, ou não, com base em emoções ou critérios pessoais, o estudante de música precisa ir mais fundo. Ele ou ela precisa entender se a execução está no ritmo correto, se a melodia está boa, quais erros estão ocorrendo, se há um padrão ou uma sistematização nas sonoridades que lhe agradam e o que diferencia os grandes compositores de qualquer estilo musical dos demais.

#2 Ler partituras melhor e mais rapidamente

Quanto mais o aluno entender de teoria musical, maiores serão suas habilidades para captar as notações sobre a pauta, e consequentemente, melhor poderá executar as músicas. É claro que a conversão da leitura rápida para o gesto demanda também muita prática, mas sem a base teórica ela ficará limitada.

#3 Entender como a música funciona

Aprender teoria musical ajuda crianças, adolescentes e adultos a compreenderem como a estrutura dessa linguagem tão única funciona. A alfabetização musical permite que os alunos acompanhem o processo de criação dos compositores e que eles mesmos aprendam a compor as suas músicas. Afinal, é somente pela teoria e pela notação que um compositor comunica ao mundo como ele (a) gostaria que sua obra fosse executada.

#4 Estimular a criatividade

Para começar a criar uma música, é preciso de inspiração, é claro. Mas artistas com sólido fundamento em teoria desenvolvem um senso avançado de consciência musical, e isso melhora a criatividade, auxilia na construção de um estilo próprio e na caracterização de acordes e transições bem estruturadas.

Ser capaz de identificar padrões sonoros nas músicas que lhe agradam e nas que desagradam também abre caminhos para que o aluno crie suas próprias composições e canções de maneira lúcida.

Basta pensar na língua portuguesa: aprendemos a falar muito antes de conhecer a teoria que estrutura o idioma. Mas quanto mais uma pessoa estuda e entende de português, maior é a sua liberdade de criação, ou seja, melhor pode articular ideias e pensamentos. Por mais que inicialmente pareça que as regras e normas limitam e conformam, após absorvidos os conceitos eles tornam-se ferramentas que ampliam o potencial de expressão e comunicação.

#5 Aumentar a independência

Quanto mais o aluno entende a teoria musical, menos ele precisa de professores e orientadores para ensinar-lhe, pois adquire a habilidade de tornar-se autodidata. É claro que a atividade em grupo ou a presença de alguém para corrigir seus erros ajuda, mas conhecer teoria musical oferece mais liberdade para escolher suas fontes de aprendizado.