Você já ouviu falar nesse conceito?

Consumir: algo extremamente corriqueiro e comum para a nossa rotina diária. Estamos a todo tempo comprando, consumindo, descartando e recomeçando o ciclo. Esta é a chamada cultura do consumo. Você já ouviu falar nesse conceito? Neste texto iremos tratar sobre a cultura do consumo e os efeitos deste contexto para a nossa realidade enquanto seres humanos. Quer saber mais? Confira conosco!

Cultura do consumo: comprar, comprar e comprar!

Se pararmos para pensar em nosso dia a dia, iremos perceber que a maioria dos nossos sonhos estão associados à aquisição de determinados bens e ao acúmulo de dinheiro. Alguns dos maiores objetivos das pessoas são: comprar um carro, comprar uma casa, ter um bom celular, um bom computador, possuir roupas preferencialmente de boas marcas e os melhores móveis e eletrodomésticos para a nossa residência.

Refletindo um pouco mais, percebemos que não precisamos necessariamente de todos estes bens para sermos felizes, mas a luta diária para juntar dinheiro e comprá-los é uma das ações que dá sentido à nossa rotina diária, baseada em acordar, trabalhar, descansar e trabalhar novamente.

Embora isso pareça ser um dos efeitos do capitalismo, a cultura do consumo é anterior a este modo econômico, e foi na verdade um de seus motivadores: até mesmo anteriormente à revolução industrial, o colonialismo e o imperialismo europeu permitiram à sociedade ocidental ter acesso a uma série de bens e serviços que as pessoas desejavam adquirir: tabaco, frutas, louças, roupas, espetáculos culturais, livros, entre outros objetos.

Conforme as pessoas desejam cada vez mais comprar esses bens, mais pessoas passaram a produzi-los, e o consumo se tornou um verdadeiro moldador da vida moderna. Hoje, a cultura do consumo é parte de nós e dificilmente deixará de ser.

A cultura do consumo e suas consequências

São várias as consequências da cultura do consumo para a sociedade. Uma delas é a obsolescência programada: os bens produzidos pela indústria têm vida útil limitada, para que as pessoas possam usufruir deles e, depois, comprar novamente estes mesmos produtos. É por isso que é muito comum as pessoas trocarem de aparelho celular a cada um ou dois anos, ou sempre adquirir carros novos à medida do possível.

Embora os bens sempre apresentem um desgaste natural com o uso, a indústria passou a explorar de maneira consciente a cultura do consumo, encurtando a vida útil dos bens e convencendo as pessoas a comprar novos produtos a partir da publicidade e da propaganda que está constantemente em contato com clientes em potencial. O mercado precisa disso para sobreviver, gerar empregos e renda.

Para o meio ambiente, a cultura do consumo é extremamente negativa, pois gera uma quantidade absurda de lixo e produtos descartados incorretamente. Enquanto a reciclagem e o reaproveitamento de materiais ainda são bastante baixos, o consumo vai deixando uma marca inconfundível nos lixões mundo afora.

Embora a cultura do consumo ainda seja parte integrante de nossas vidas, muitos lugares já experimentam novos modos de consumir, baseados no uso compartilhado de bens, na locação e na aquisição de serviços, ao invés da compra de novos produtos – bicicletas compartilhadas, aplicativos de carros, serviços de streaming para vídeos e músicas, entre outros.

Conheça o nosso trabalho e saiba mais sobre música, cultura e sociedade. Acesse o nosso site!

Se você gostou deste post:

– siga as nossas páginas nas redes sociais para acompanhar as nossas atualizações: estamos no Facebook, no Instagram, no LinkedIn, no Twitter e no YouTube!

– Conheça o trabalho da Sociedade Artística Brasileira (SABRA) e todas as iniciativas culturais e sociais que ela mantém. Acesse nosso site!

– entre em contato com a gente. E veja quais são as opções de ajuda na manutenção de nossas ações sociais e culturais. Basta acessar nossa página Doe Agora!

– Compartilhe este texto nas suas redes sociais e ajude os seus amigos a também dominarem o assunto!