O que é uma ópera?

Mesmo quem nunca assistiu uma ópera ao vivo, sabe identificá-la quando vê nos desenhos animados e nos programas televisivos. Afinal, o canto singular e marcante dos cantores e cantoras desta forma de espetáculo é tão marcante que impressiona até mesmo os leigos.

A ópera é um gênero teatral que mescla canto, interpretação, poesia e música clássica. As apresentações, que ocorrem nas chamadas “Opera House” e nos teatros, são acompanhadas por uma orquestra ou formação musical menor sob a orientação de um maestro. É uma verdadeira experiência alquímica!

Ficou interessado? Então descubra mais sobre o maravilhoso universo das óperas nas próximas linhas.

Breve histórico: como surgiram as óperas?

Genuinamente italiana, a ópera surgiu em meados do século XVII como uma nova forma dramática de mesclar elementos teatrais e musicais sobre o palco. O termo vem do latim “opus”, que significa “obra”, e foi utilizado para denominar as criações que estavam florescendo durante o Renascimento, principalmente nas cidades de Florença, Veneza, Roma e Nápoles. A primeira obra da história considerada uma ópera foi criada pelo veneziano Claudio Monteverdi, no século XVI.

Em poucas décadas, a burguesia em ascensão criou gosto pelas óperas e as apresentações espalharam-se pela Europa, estimulando a construção de grandes teatros e espaços dedicados às apresentações do gênero.

Por causa das origens, a maior parte das óperas é cantada em latim e em italiano. Porém, extraordinários compositores de outros países também alçaram óperas francesas e alemãs ao hall da fama da música clássica.

O que caracteriza as óperas?

Elas são apresentações dramáticas que combinam o canto com a música instrumental. Geralmente os diálogos entre os personagens do enredo são substituídos pelos recitativos, que se situam entre o canto e a fala. Essa é uma característica forte das óperas italianas, mas não tanto das alemãs, que utilizam mais o diálogo falado (chamado de Singspiel), a exemplo da “Die Zauberflöte” de Mozart.

Os cantores de ópera são classificados de acordo com o timbre vocal: enquanto os homens podem ser tenores, contratenores, barítonos, baixos-barítonos e baixos, as mulheres são classificadas como sopranos, mezzo-sopranos e contraltos (pode haver também outras subcategorias). Já o “libretto” é o roteiro ou a letra da ópera e orienta toda a apresentação.

As óperas podem ser divididas em diversos tipos, como a ópera-balada francesa, a ópera buffa ou ópera cômica italiana, a ópera séria do período barroco, o bel-canto italiano, a grand-ópera, a opereta, entre outras. Também pode ser classificada conforme o período, à exemplo da ópera barroca, da clássica, da romântica e da contemporânea.

Quais são as óperas mais famosas?

Listar as melhoras e mais populares óperas de todos os tempos é uma tarefa árdua e certamente demandaria algumas páginas de explicações e justificativas para os critérios de escolha. Mas não restam dúvidas de que algumas obras certamente estariam na seleção, como “Aída” e “La Traviata” de Giuseppe Verdi, “Don Giovanni” e “Die Zauberflöte” (A Flauta Mágica) de Wolfgang Amadeus Mozart, “Il Barbiere di Siviglia” (O Barbeiro de Sevilha) de Gioacchino Rossini, “Carmen” de Georges Bizet, e “La bohème” e “Madama Butterfly” de Giacomo Puccini.

Se você gostou deste post:

– siga as nossas páginas nas redes sociais para acompanhar as nossas atualizações: estamos no Facebook, no Instagram, no LinkedIn, no Twitter e no YouTube!

– Conheça o trabalho da Sociedade Artística Brasileira (SABRA) e todas as iniciativas culturais e sociais que ela mantém. Acesse nosso site!

– entre em contato com a gente. E veja quais são as opções de ajuda na manutenção de nossas ações sociais e culturais. Basta acessar nossa página Doe Agora!

– Compartilhe este texto nas suas redes sociais e ajude os seus amigos a também dominarem o assunto!