Exercícios e aulas de canto ajudam a treinar e aperfeiçoar diversos aspectos ligados à voz, como postura, respiração e afinação. Porém, cada pessoa nasce com a capacidade de atingir uma extensão de tons mais agudos ou mais graves, recebendo, a partir disto, uma classificação vocal.

Existem basicamente seis categorias, sendo três masculinas e três femininas. Descubra nesse artigo quais são elas e como você pode descobrir a sua.
Classificação vocal

A classificação básica da voz humana para o canto é feita em aguda, média e grave. A voz feminina mais aguda é chamada de Soprano e a masculina de Tenor. Já a mais grave é Contralto para mulheres e Baixo para homens. Por fim, a voz intermediária feminina é a Mezzo-soprano e a masculina é Barítono.

Essa categoria é válida para todos os cantos, porém algumas vertentes têm nomenclaturas adicionais para definir ainda mais as particularidades de cada voz e determinar os papéis que cada cantor pode assumir na ópera – na música popular a classificação é mais flexível. A soprano, por exemplo, pode ser dividida entre Ligeiro, Spinto, Lírico, Dramático, entre outras.

No Brasil, a voz feminina mais comum é a Soprano, como a da cantora Sandy e de Marisa Monte. A Contralto é o tipo mais raro em todo mundo – inclusive muitas cantoras no papel de contralto são na verdade mezzo-soprano, e referências pop como Ana Carolina, Adele e Amy Winehouse são exemplos dessa categoria. Já de Mezzo-soprano podemos citar Daniela Mercury, Madonna, Beyoncé e Katy Perry.

Para os homens, a voz mais aguda é o Tenor, que na ópera adquire outras especificidades, como Tenor Dramático, Heldentenor, Ligeiro, entre outros. São tenores famosos Andrea Bocelli, Axl Rose e Michael Jackson. Já entre os Barítonos, podemos citar Chico Buarque, Jim Morrison, Eddie Veder e Frank Sinatra.

Por fim, o Baixo é o tipo mais raro de voz masculina, com pouca ocorrência no Brasil e maior abundância na Rússia e nos países nórdicos. O Baixo Profundo é a forma com menos registros. Tim Maia e Arnaldo Antunes são exemplos de Baixos da música pop, além de estrangeiros como Johnny Cash e Louis Armstrong.
Como descobrir a sua voz?

Cada pessoa nasce com uma voz própria, que resulta de várias características físicas, como tamanho das cordas vocais e da caixa torácica. Por isso, é fundamental conhecer e reconhecer os seus limites, sob o risco de desenvolver problemas vocais caso tente forçar um timbre muito diferente do natural.

A tarefa de descobrir o “tipo de voz” pode ser mais simples para algumas pessoas e bastante complexa para outras. Geralmente não se identifica a voz de crianças e adolescentes porque ainda estão em processo de crescimento e a voz sofrerá alterações. Por isso, somente na idade adulta é possível avaliar com precisão.

Os principais fatores para determinar a classificação vocal é a tessitura (conjunto de notas que a pessoa consegue emitir de forma natural, confortável e harmônica) e a extensão vocal (conjunto de notas que a pessoa consegue emitir independentemente da qualidade). São também elementos secundários a altura da voz, a amplitude, a intensidade e as características morfológicas.

Além dos ouvidos treinados de um professor, que podem ajudá-lo a identificar o seu tipo de voz, outra técnica utilizada é o acompanhamento das notas por um teclado.

Vozes masculinas do tipo Tenor sentem-se mais confortáveis cantando oitavas entre o Dó 2 e o Ré 4, Barítonos entre o Sol 1 e o Lá 3 e Baixos do Dó 1 ao Fá 3. Já vozes femininas do tipo Contralto funcionam bem para a extensão do Mi 2 ao Lá 4, Mezzo-soprano do Lá 2 ao Si 4 e Soprano entre Dó 3 e Fá 5.

Faça um teste junto ao instrumento, acompanhando as notas com a voz, e descubra entre quais notas encaixa-se melhor. Também é interessante gravar para posteriormente ouvir e avaliar.