Conheça os instrumentos da família dos metais

Nas orquestras, os instrumentos musicais são divididos em famílias ou naipes, como já explicamos em outro texto (https://www.sabra.org.br/site/quais-instrumentos-fazem-parte-de-uma-orquestra). Uma dessas famílias é a dos metais, que é formada basicamente por instrumentos de sopro, como a corneta, a surdina, a trompa, o eufônio, o clarim, a vuvuzela, o berrante, o melofone, a bucina, entre outros. Mas os representantes mais conhecidos são o trompete, a trompa, a tuba e o trombone.

Estes instrumentos são constituídos principalmente por duas matérias-primas: latão e bronze. No entanto, com a evolução das técnicas construtivas e da engenharia de materiais, atualmente também são utilizadas outras composições de ligas metálicas.

Em termos de formato, todos os instrumentos dos metais tem um bocal em uma das extremidades, onde a boca do músico fica apoiada para assoprar o ar e vibrar os lábios. Já na outra extremidade fica a campânula, por onde o ar sai junto ao som. Além dessas duas características, o formato e o tamanho dos instrumentos varia bastante, o que acaba definindo as diferentes sonoridades de cada um.

Vamos conhecer um pouco mais sobre os instrumentos mais populares dessa família?

Trompete

O trompete é o instrumento mais agudo do naipe dos metais. Acredita-se que ele foi criado tanto para que pastores chamassem e reunissem seus rebanhos quanto para espantar os maus espíritos em rituais mágicos e religiosos.

Nessa época, o trompete ainda era feito com materiais como cerâmica, ossos e madeira. Foi somente com os romanos que passou a ser construído a partir de metais e adquiriu também uma nova finalidade, integrando a rotina das tropas militares.

Alguns tipos de trompetes existem há centenas (ou milhares) de anos, como o trompete tibetano e a bucina romana. Já outros são mais recentes, como o trompete em Si Bemol (o mais popular atualmente), o trompete de varas, o piccolo e o de chaves.

Os músicos especializados no trompete são chamados de trompetistas. Apesar de integrarem as orquestras sinfônicas, foi no jazz que grandes nomes como Louis Armstrong, Miles Davis, Arturo Sandoval e Thad Jones foram eternizados.

Trompa

Também muito antiga, inicialmente a trompa era feita de chifres e depois de cerâmica e madeira. Apenas quando o ser humano dominou o uso dos metais é que o instrumento foi cunhado com essa matéria-prima e evoluiu para diversas adaptações.

Ela é o segundo instrumento mais agudo na família dos metais, seguindo o trompete. A principal característica da trompa é a sua enorme extensão, enrolada sobre si mesma diversas vezes entre as duas extremidades. Por essa forma particular, a trompa permite que o músico extraia muitas variedades de timbres.

Trombone

O trombone é um tipo de aerofone criado em meados do século XV, quando as orquestras estavam surgindo na Europa. A sonoridade deste instrumento é mais aguda que o da tuba e mais grave que a do trompete.

Existem 2 modelos principais de acordo com a forma do instrumento, quais sejam, o trombone de pisto e o trombone de vara. O músico que domina-o é chamado de trombonista, e para liberar o som, ele assopra no bocal enquanto movimenta a vara para frente e para trás com um dos braços, parando em diferentes distâncias.

Tuba

A tuba é o mais recente instrumento dessa lista. Ela surgiu em meados do século XIX e desde que foi criada já ganhou um lugar ao Sol nas orquestras sinfônicas. Existem diversos tamanhos de tuba, como o tenor ou eufônico, o baixo e o contrabaixo. É um instrumento importante na música clássica, mas também ganhou fama em espaços populares, como em bandas de igreja, de música circense e entre os militares.

Se você gostou deste post:

– siga as nossas páginas nas redes sociais para acompanhar as nossas atualizações: estamos no Facebook, no Instagram, no LinkedIn, no Twitter e no YouTube!

– Conheça o trabalho da Sociedade Artística Brasileira (SABRA) e todas as iniciativas culturais e sociais que ela mantém. Acesse nosso site!

– entre em contato com a gente. E veja quais são as opções de ajuda na manutenção de nossas ações sociais e culturais. Basta acessar nossa página Doe Agora!

– Compartilhe este texto nas suas redes sociais e ajude os seus amigos a também dominarem o assunto!