O canto é uma das expressões artísticas mais nobres, impressionantes e encantadoras expressadas pela humanidade. A reunião de cantores com diversos timbres e alcances vocais forma um coral, um grupo de artistas que consegue expressar grandes sentimentos através da música. Você sabe como e quando surgiu o primeiro coral do Brasil?

Leia este texto até o fim e conheça um pouco mais sobre a história da nossa música. Confira!

A cultura dos corais

Antes que surgisse formalmente um coral com atividade permanente e regular no país, no século XIX já havia algumas experiências de corais no Brasil, mas com pouca duração ou atuação regular. Estas iniciativas se deram principalmente em igrejas católicas dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, ou seja, manifestações de canto todas baseadas em arte sacra com pequenos grupos de músicos contratados por evento ou temporada.

O primeiro coral efetivamente ativo que surgiu no país foi fruto da Semana de Arte Moderna de 1922, que ficou marcada na história do país, em um momento em que os artistas brasileiros começaram a negar manifestações vindas do exterior, principalmente da Europa, para valorizar a cultura e os dotes artísticos nacionais.

O Coral Paulistano

Nesse contexto e sentido, nasceu, em 1936, o Coral Paulistano, que hoje leva o nome de seu fundador: Mário de Andrade. O continente europeu, e até mesmo a América do Norte, já contavam com corais há décadas antes, enquanto o Brasil ainda tinha poucas representações de arte erudita. Vale lembrar que quase todas essas representações eram voltadas à Ópera Francesa e à música de câmara consumida pelas elites econômicas e políticas do eixo que governava o país.

Na época, a ideia de Mário de Andrade, então diretor do Departamento Municipal de Cultura de São Paulo, era levar representantes dos movimentos nacionalistas de música para dentro do consagrado palco do Theatro Municipal, até então repleto apenas com manifestações artísticas de cunho europeu.

Entretanto, a ideia do Coral Paulistano não era copiar o estilo de música europeu e traduzi-lo para o português brasileiro. O conceito do coral da cidade de São Paulo era realizar profundas pesquisas culturais sobre as manifestações populares de música brasileira, para que, então, pudesse ser adaptada para o formato de Canto Coral.

Ainda em 1936, para trabalhar em conjunto com o Coral Paulistano, também foi fundada a Sociedade de Etnografia e Folclore, que realizava pesquisas, estudos, eventos e congressos na área, valorizando a cultura nacional e aproximando as manifestações artísticas das regiões Norte e Nordeste do país para o Sudeste.

Repercussão e legado

O Coral Paulistano se apresenta até hoje de maneira regular, tendo como casa sede o Theatro Municipal de São Paulo. A iniciativa incentivou o surgimento de outros corais, como a Associação de Canto Coral do Rio de Janeiro (1941), o Madrigal Renascentista (1956) em Belo Horizonte,  o Coral Ars Nova (1959), o Coral Julia Pardini (1960), o Coral da Universidade de São Paulo (1967), entre outros grupos de música de canto coral, deixando um inestimável legado artístico para a cultura nacional.

Conheça o trabalho da Sociedade Artística Brasileira (SABRA) e todas as iniciativas culturais e sociais que ela mantém. Acesse nosso site!