Quando se fala em matemática é natural que a palavra já seja imediatamente relacionada com números, fórmulas e equações complicadas, cujo sentido às vezes é obscuro e sem nenhum atrativo. Mas esse pensamento, apesar de senso comum, está bastante equivocado! Primeiro porque cada cálculo tem, sim, um sentido e pode ser aplicado no dia a dia. E segundo porque a matemática é muito mais bela do que a maior parte das pessoas imagina: ela está intimamente ligada com a arte!

Matemática é pura lógica e raciocínio. Arte é a representação da beleza e o retrato de sentimentos. É possível que essas duas áreas tão distintas do conhecimento se influenciem mutuamente? Certamente sim!

Grécia Antiga

A influência da matemática na arte já pode ser percebida na Grécia Antiga: os gregos prezavam muito pela simetria e pela perfeição das formas, assim, suas obras seguiam princípios matemáticos. O templo Parthenon é um exemplo disso. Na educação helênica, o currículo básico era chamado de Quadrivium e reunia quatro áreas do conhecimento: matemática, geometria, astronomia e música!

Os famosos mosaicos árabes, de inigualável beleza, também têm um princípio matemático: uma figura simples, repetida de forma ordenada e simétrica cujo resultado é capaz de encher os olhos de qualquer um que parar e apreciar.

Renascimento

Avançando alguns bons anos na história, chegamos ao Renascimento e nos deparamos com a figura do gênio Leonardo Da Vinci! Apesar de ter ficado mundialmente conhecido pela sua produção artística, assinando ícones como a Mona Lisa e a Santa Ceia, ele era também matemático e cientista. O desenho do Homem Vitruviano, por exemplo, é uma representação do ideal clássico de beleza, a partir da perfeição das proporções, um conceito matemático clássico.

Foi também durante o Renascimento que os artistas descobriram como aplicar a perspectiva em suas obras. Até então, as pinturas eram apenas bidimensionais e, muitas vezes, isso limitava muito o retrato de uma realidade tridimensional. A partir desse ponto, usando conceitos geométricos, os artistas ampliam a ilusão de realidade criada em suas obras e um exemplo clássico disso é “O retorno do embaixador”, de Vittore Carpaccio.

Séculos XIX e XX

Muito tempo depois, nos séculos XIX e XX, o renomado pintor francês Paul Cézanne demonstra que o ponto de encontro entre matemática e arte vai muito além da perspectiva. Em suas telas, ele procurava simplificar as figuras até que elas se reduzissem a formas geométricas puras. Essa estratégia criava a sensação de volume e distância entre os componentes.

Provavelmente, o ápice da influência da matemática na arte foi o advento do Cubismo: movimento de vanguarda modernista que se baseava no uso de formas e volumes geométricos para representar a natureza. Durante o cubismo, que teve em Pablo Picasso um de seus maiores expoentes, a perspectiva tridimensional foi deixada de lado.

Sobre esse assunto, ainda vale destacar um artista específico, Escher, que tem toda a sua obra baseada em conceitos matemáticos como simetrias e padrões de repetição. Mesmo sem ter buscado conhecimento formal em matemática, era essa área que norteava toda a sua produção.

Comece a ver a matemática com outros olhos a partir de agora!